Escolha uma Página


A gestão da estratégia é um dos principais desafios enfrentados por empresas de diversos segmentos. É por conta disso que realizar um planejamento estratégico bem feito costuma ser vital para alcançar o sucesso.

No entanto, fazer isso não é algo simples. Em grande parte dos casos, os funcionários não conhecem a fundo a estratégia da própria empresa, algumas burocracias impedem o engajamento dos profissionais e as metas competem entre elas e não espelham o objetivo global, além de outros entraves que acabam contribuindo para o fracasso.

De acordo com um artigo publicado neste ano pela Harvard Business Review, praticamente todos os líderes têm o intuito de reservar mais tempo para reflexões sobre a estratégia, o que, no entanto, acaba não se consolidando na prática. Devido a isso, é imprescindível a realização de ações mais proativas que busquem gerir, com excelência, a estratégia de sua empresa.

Neste artigo, vamos abordar quais são os principais motivos para contar com uma gestão efetiva de planejamento estratégico. Para entender melhor, continue a leitura!

O que é o planejamento estratégico?

Antes de tudo, é fundamental entender que o planejamento estratégico é, primordialmente, uma abordagem gerencial que tem a função de direcionar a organização — e seus recursos — na busca de um objetivo maior.

Vale ressaltar que, ainda que uma empresa tenha inúmeras metas, como excelência em qualidade, inovação e flexibilidade, o objetivo maior sempre está relacionado à geração e à maximização da receita.

Esse fator é capaz não só de suplantar todos os custos — mão de obra, matéria-prima, estrutura, etc — como de gerar lucros suficientes para que sócios e acionistas sintam-se motivados a investir e a buscar, cada vez mais, a perpetuidade do negócio.

Durante esse momento, portanto, é fundamental fazer análises de cenário, ver quais são os principais riscos presentes e quais são as oportunidades e as ameaças que se apresentam, bem como analisar de que forma contrapor as adversidades e usufruir melhor dos êxitos.

Em suma, o planejamento estratégico é uma ponte que tem como objetivo primeiro transportar a empresa de seu estado presente até o lugar em que ela gostaria de estar no futuro.

Por que as empresas devem ter um planejamento estratégico?

De forma sucinta, o planejamento estratégico é responsável por permitir o alinhamento dos objetivos de todos os membros de uma organização, independentemente do departamento ou do grau de hierarquia.

Nesse contexto, uma empresa que não dá atenção ao planejamento estratégico pode ter problemas estruturais bastante danosos, tais como equipes remando rumo a metas completamente diferentes ou a processos que não têm relevância para o alcance do objetivo global. Ou seja, ainda que o esforço da empresa seja altíssimo, pode ser que, sem o direcionamento adequado, não seja possível alcançar o sucesso.

Por outro lado, se a empresa conta com um planejamento estratégico estruturado, os colaboradores remarão de forma sincronizada e vão contribuir para que a tripulação vá em uma única direção e sentido.

Ainda que as informações acima pareçam um tanto óbvias, de acordo com um estudo do Project Management Institute (PMI) em parceria com a revista The Economist, 44% dos planos estratégicos das empresas fracassam — o que corrobora a tese de que a maioria das grandes empresas sabe que é preciso traçar bons planos para alcançar o sucesso, mas falham na implementação dessas iniciativas.

Dos 587 executivos globais seniores ouvidos, 88% reconhecem que é importante entregar resultados baseados no plano estratégico, enquanto 61% admitem que suas empresas precisam se esforçar mais para preencher a lacuna entre a teoria e a prática.

Quais são as metodologias usadas na elaboração do planejamento estratégico?

São vários os métodos que podem ser utilizados. Neste texto, vamos destacar 3 dos principais. Acompanhe a seguir.

Balanced Scorecard (BSC)

Proposto em 1992 por Kaplan e Norton, professores da Harvard Business School, o Balanced Scorecard, também conhecido como Indicadores Balanceados de Desempenho, tem como principal objetivo não só alinhar o planejamento estratégico como também a visão e a missão da empresa.

De forma geral, seu primeiro modelo contempla 4 perspectivas: financeira, clientes, processos internos e aprendizado e crescimento organizacional.

Tabelas descrevendo o mapa estratégico e o balanced scorecard, ou BSC.

Canvas Business Model

O Canvas Business Model, por sua vez, é uma metodologia utilizada por diversas organizações como meio para a formulação de um planejamento estratégico. Traduzido como “Painel de Modelo de Negócios”, ele é considerado, por muitos, como um meio essencial para o desenvolvimento de uma empresa.

De forma mais prática, o Canvas consiste, basicamente, em uma espécie de mapa dividido em nove blocos, nos quais se alocam os fatores de um modo visual e dinâmico. São eles:

  • Segmentação de Clientes;
  • Proposta de valor;
  • Canais;
  • Relacionamento com os clientes;
  • Fontes de Receita;
  • Atividades-chave;
  • Recursos-chave;
  • Parcerias-chave;
  • Estrutura de custos.
Desenho mostrando as nove áreas de um modelo de negócios, ou canvas.

Hoshin Kanri

Originário do Sistema Toyota de Produção, o Hoshin Kanri está entre as ferramentas mais poderosas do arsenal Leanpara uma gestão estratégica eficaz. Quando implementada adequadamente, essa metodologia é capaz de preencher a lacuna entre estratégia e execução, criando alinhamento e foco.

Para tanto, a maneira mais popular de implementar o Hoshin Kanri é por meio da aplicação da matriz X, que é um documento de uma única página que inclui metas, estratégias, projetos e responsáveis.

Exemplo de Matriz X em branco

O objetivo de aplicar essa matriz é alinhar as necessidades de longo prazo com iniciativas estratégicas, identificar as atividades mais importantes ao longo do caminho e listar as métricas que necessitam ser melhoradas.

Quais são as principais vantagens?

De forma geral, todas as metodologias de gestão de planejamento estratégico apresentadas acima propiciam, cada qual à sua maneira, as seguintes vantagens:

  • Geram a sustentabilidade e o crescimento da empresa;
  • Expandem os horizontes em relação ao próprio negócio e ao mercado;
  • Criam um guia para nortear os caminhos da organização na busca pelos objetivos;
  • Proporcionam foco bem definido e interesses alinhados;
  • Definem, com clareza, onde a organização se encontra e aonde ela planeja chegar no futuro;
  • Permitem à organização antever os seus problemas e preparar-se para enfrentar as adversidades;
  • Aumentam a visão da organização na busca de novas e promissoras oportunidades de negócios;
  • Diminuem o tempo de resposta da organização para enfrentar os problemas e as ameaças ao agilizar o processo decisório;
  • Alinham estratégia aos planos de ação para promover melhorias em todos os níveis da organização;
  • Favorecem a consciência e a clareza do papel estratégico de cada indivíduo na busca dos objetivos organizacionais, o que gera o comprometimento de todos;

Quais as principais dicas para fazer um planejamento estratégico eficiente?

Por último, daremos algumas importantes dicas para fazer a gestão de um planejamento estratégico de maneira eficiente.

Antes de tudo, independentemente da metodologia utilizada, não basta ao líder delegar tarefas: ele tem que participar intimamente de todo o processo. Segundo os resultados obtidos pelo PMI, esse envolvimento é fundamental.

28% dos executivos participantes disseram que projetos individuais para aplicar estratégias, normalmente, não têm o apoio necessário dos membros do alto escalão, o que acaba impedindo o avanço dessas iniciativas.

Além disso, outra ação importante é investir em treinamentos contínuos. Eles podem não só reforçar o pensamento estratégico dos funcionários — o que é vital para o sucesso da implementação — como também instruir as pessoas a contribuírem com seus pensamentos críticos. As novas perspectivas somam bastante no resultado geral, já que não deixam os gestores condicionados às mesmas formas de enxergar os desafios.

Um outro ponto importante é a definição de metas. Ao identificar as áreas de negócio em que se deve focar e decidir a melhor forma de medir o desempenho, pode-se utilizar os objetivos como força de aprendizado, trabalhando os resultados em função das competências.

Para tanto, o ideal é acompanhar como os profissionais estão indo, cobrar ajustes, divulgar como está o andamento das atividades e compartilhar os resultados — o que acaba contribuindo para o engajamento e a real efetivação do plano.

E então, conseguiu entender melhor quais são os principais motivos para fazer uma gestão cuidadosa do planejamento estratégico? Entre em contato com a Nortegubisian e entenda como podemos ajudá-lo a avançar ainda mais! Se quiser conhecer mais sobre o planejamento estratégico, confira outro artigo sobre o tema.