Apple explica por que removeu a entrada tradicional para fone de ouvido no iPhone 7

iphone 7 adaptador fone

A polêmica sobre a remoção da entrada para fones de ouvido no iPhone 7 começou há muitos meses, quando o smartphone ainda era um rumor. Agora que ele foi anunciado oficialmente, a Apple resolveu explicar – através de uma entrevista a John Paczkowski, do BuzzFeed News – os motivos desta mudança. Vamos analisá-los um a um.

Os prós e contras de remover a entrada para fone de ouvido dos smartphones
Primeiras impressões do iPhone 7: não é apenas mais do mesmo
Primeiras impressões dos AirPods: os fones de ouvido sem fio da Apple não decepcionam

A entrada para fones é muito antiga

“O conector de áudio tem mais de 100 anos de idade”, diz [o vice-presidente Greg] Joswiak. “Ele teve sua última grande inovação há cerca de 50 anos. Sabe o que foi? Ele se tornou menor. Ele ficou intocado desde então. É um dinossauro. É hora de seguir em frente.”

Qual o problema nesse argumento? O próprio Paczkowski responde: como o padrão existe há décadas, ele está presente em todo tipo de dispositivo – laptops, equipamentos de áudio, carros, assentos de avião, entre outros. Usar uma alternativa significa criar um inconveniente para ouvir áudio em todos esses lugares, e nem sempre se pode contar com o Bluetooth para driblar isso.

Ele também resume as críticas levantadas há meses por outros veículos:

A entrada para fone de ouvido é ótima para transmitir áudio, é amplamente utilizada, e é livre de patentes e de gestão de direitos digitais, argumentaram os críticos. Por que removê-la, deixando apenas uma porta digital e proprietária da Apple que pode, em um futuro distópico, ser bloqueada por esquemas de DRM que Steve Jobs lamentou em seu ensaio de 2007, “Reflexões sobre a música”? Por que fornecer um diminuto adaptador de fone que vai custar US$ 9 [R$ 79 no Brasil] para substituir quando eu inevitavelmente o perder?

São perguntas muito boas! Eis o que a Apple responde.

Pra que fios?

Dan Riccio, vice-presidente sênior da Apple para engenharia de hardware, diz: “em um mundo de conectividade móvel e celular, o único vestígio com fios é este cabo pendurado ao celular nos ouvidos das pessoas – por quê?”

Por quê? Motivos não faltam! Nós explicamos: fones sem fio custam mais caro; o Bluetooth não é onipresente e pode ter falhas de conexão; e fones sem fio precisam ser recarregados constantemente pois a bateria dura pouco. O “cabo pendurado ao celular” também tem algumas boas consequências imprevistas, impedindo quedas trágicas e até mesmo roubos. Além disso, com uma entrada específica para áudio, você pode ouvir música no fone enquanto carrega a bateria.

E, claro, há outros “vestígios com fios” no iPhone, como o cabo para carregar a bateria – ele nunca teve suporte a carregamento wireless.

Remover a entrada para fone melhora a resistência à água

… a remoção do conector de áudio também eliminou um ponto-chave de entrada que, segundo Riccio, ajudou o novo iPhone a finalmente ter resistência IP7 à água (imerso a até 1 metro de profundidade durante 30 minutos), especificação que a Apple vem buscando há anos.

Eis uma lista não-exaustiva de smartphones resistentes à água com entrada para fone de ouvido: Samsung Galaxy S7 Edge; Samsung Galaxy S7; Samsung Galaxy Note 7; Samsung Galaxy S5; HP Elite x3; Motorola Moto G Turbo; Sony Xperia XZ; Sony Xperia Z5; Sony Xperia Z3; Sony Xperia M4 Aqua; Sony Xperia go. Há vários outros com especificação IP67 e IP68.

Se outras grandes empresas conseguiram fazer smartphones resistentes à água sem eliminar o conector de 3,5 mm, por que a Apple não conseguiria?

A bateria do iPhone pode ficar maior

… havia uma oportunidade inesperada para aumentar a vida útil da bateria. Então a bateria no iPhone 7 é 14% maior do que a de seu antecessor; e no iPhone 7 Plus, é 5% maior. Em termos de ganhos de desempenho do mundo real, isso significa um duas horas e uma hora adicional, respectivamente. Nada mal.

Contraponto: outro modo de aumentar a bateria seria deixando o iPhone um pouco menos fino, o que também ajudaria a evitar o calombo da câmera traseira.

A qualidade de áudio é melhor

O Lightning é uma boa solução portátil para áudio de alta fidelidade. É uma conexão com energia, então pode suportar coisas como cancelamento de ruído em fones que normalmente requerem pilhas; e por ser digital, ele pode fornecer mais controle granular sobre a resposta de frequência e outros detalhes…

Tudo isso é verdade. O USB Type-C também possui essas vantagens. O problema é que agora teremos fones em cada um desses padrões. Como eu faço para usar um fone USB em um iPhone, ou um fone Lightning em um Moto Z?

Ninguém vai usar proteção de direitos autorais em fones Lightning

Por que permitir a possibilidade de um cenário em que eu não posso tocar uma música que comprei, seja por causa de um bloqueio de proteção de cópia, ou um erro “Este acessório não foi certificado pela Apple”?

Para Phil Schiller, vice-presidente sênior da Apple, este é um argumento tolo: “estamos removendo o conector tradicional porque desenvolvemos uma maneira melhor para fornecer áudio… detentores de conteúdo em áudio estão muito mais confortáveis ​​em não exigir proteção contra cópia”. Um executivo da Intel também explica ao BuzzFeed News que o padrão USB permite proteção contra cópia de áudio há muitos anos, mas ninguém usa isso. Então tá.

O iPhone precisa de espaço para incluir novas tecnologias

“[A entrada para fone] estava nos impedindo de colocar várias coisas que queríamos no iPhone”, diz Riccio. “Ela estava lutando por espaço com tecnologias de câmera, processadores e vida útil da bateria. E, francamente, havendo uma solução melhor e moderna disponível, seria loucura manter a tecnologia antiga.”

Aqui o argumento começa a ficar mais compreensível, especialmente para o iPhone menor: é difícil fazer caber muita tecnologia em um corpo de 4,7 polegadas. Riccio explica que um componente importante (uma placa ligada à tela) agora fica na parte inferior e libera espaço para as câmeras. E com isso, ficou mais fácil instalar a Taptic Engine, que faz o botão Home fixo tremer.

Não é apenas a Apple que pensa assim: a Intel quer que fabricantes usem o USB Type-C como um conector de áudio; a Huawei está interessada nessa ideia; e a chinesa LeEco já vende smartphones sem entrada para fone de ouvido, tal como a Motorola.

Estamos presenciando a lenta derrocada do conector de 3,5 mm. Até que todos adotem alternativas digitais, no entanto, teremos que passar pelo inconveniente de adaptadores e conexões Bluetooth ruins.